PUBLICIDADE
Por que as pessoas estão se relacionando menos
20/06/2022 06:07 em Que Triste

O amor pode significar várias coisas para pessoas diferentes: sexo, parceria, gestos atenciosos. Mas em todas essas frentes, parece-me que o amor está em declínio nos Estados Unidos, por isso escrevi uma coluna para o Dia dos Namorados sobre o assunto.

A porcentagem de americanos sem um relacionamento fixo aumentou 50% desde 1986. Os americanos são menos propensos a fazer sexo do que em qualquer momento desde 1989. Menos americanos estão comemorando o Dia dos Namorados agora do que no final dos anos 2000.

Esse declínio não é apenas sobre a pandemia, já que a tendência de queda estava acontecendo antes de 2020.

Então, o que está acontecendo? Eu queria descobrir se o amor está realmente morto — e se sim, quem o matou?

É por isso que decidi me aprofundar no episódio desta semana do meu podcast, “Margins of Error”.

O que descobri é que o amor não está necessariamente morto. Está apenas se apresentando de maneiras diferentes do que antes. Se você olhar em volta, verá rapidamente que o anseio por amor e romance está se manifestando de maneiras diferentes nos dias de hoje. Um desses lugares é no entretenimento.

 

Basta olhar para o número de reality shows dedicados ao namoro que foram lançados nos últimos anos: “Casamento às Cegas”, “Love on the Spectrum”, “Casamento à Indiana” e muito mais. Caramba, há um show em que as pessoas até colocam próteses ridículas e vão a encontros. Chama-se “Feras Sexy”.

Um programa fictício cuja popularidade eu experimentei foi “Bridgerton”. Eles seguram essas bolas para os fãs do programa, e eu fui a um. Não me vesti com roupas de época, como estava relatando. Ainda assim, foi uma experiência e tanto, mesmo que eu não soubesse o que estava acontecendo na metade do tempo.

A romancista de romance Adriana Herrera, autora de “A Caribbean Heiress in Paris” e “American Dreamer”, credita “Bridgerton” por promover o amor. O enredo “definitivamente percorreu um longo caminho para reiniciar (romance) na consciência”, ela me disse. “As pessoas têm ido para o romance, porque no final, você tem a garantia de que será feliz para sempre.”

“Talvez as expectativas de como o romance pode ser e sentir podem diferir” agora em comparação com décadas passadas, disse Herrera. Hoje em dia, a sociedade aceita muito mais diferentes tipos de relacionamentos, e a mídia está fazendo um trabalho melhor ao refletir “pessoas assexuais, pessoas queer, pessoas que estão em relacionamentos interraciais”, disse ela.

A verdadeira razão pela qual as pessoas estão adiando o casamento pode ser, como sugeriu Herrera, porque elas têm padrões mais altos para parceiros em potencial.

E alguns dados apoiam essa ideia. Apenas 44% dos millennials (nascidos entre 1981 e 1996) se casaram em 2019, em comparação com 53% da Geração X (nascidos entre 1965 e 1980), 61% dos baby boomers (nascidos entre 1946 e 1964) e 81% dos Geração Silenciosa (nascidos entre 1928 e 1945) em uma idade comparável, de acordo com uma análise de 2020 dos dados do censo dos EUA do Pew Research Center.

Um relatório anterior do Pew descobriu que cerca de dois terços dos millennials esperam se casar algum dia, mas cerca de um quarto disse que não encontrou alguém com as qualidades que procuravam.

O declínio das taxas de parceria também está tendo um efeito cascata em outros aspectos do amor, como sexo. Um estudo de 2021, por exemplo, identificou o declínio nos relacionamentos como um dos principais fatores para os jovens adultos estarem fazendo menos sexo em comparação com décadas anteriores.

Eles também descobriram que um aumento nos jogos de computador e quedas na renda e no consumo de álcool também explicavam parte do declínio na atividade sexual. Outra causa em potencial que aposto que muitos de vocês estão pensando: aplicativos de namoro.

A especialista em relacionamentos Monica O’Neal, psicóloga de Boston, disse que as pessoas que administram esses aplicativos “têm zero interesse em saber se as pessoas realmente encontram ou não relacionamentos. Seu objetivo principal é manter as pessoas nos aplicativos porque é assim que elas ganham dinheiro”. Ela observou que “o que aconteceu é que eles criaram uma cultura que realmente leva as pessoas a não investirem tempo para conhecer ninguém”.

Um estudo de 2019 descobriu que o namoro online também se tornou a principal forma de encontro de casais heterossexuais — e, deixe-me dizer o óbvio aqui, isso foi antes da pandemia. A popularidade dos aplicativos de namoro só aumentou desde 2019.

Relações mudaram ao longo dos anos / Pixabay

Ame-os ou odeie-os, eles estão aqui para ficar por mais algum tempo.

Zach Stafford, ex-diretor de conteúdo do aplicativo de namoro gay Grindr, disse que os aplicativos podem ser uma coisa boa, especialmente para grupos que historicamente foram discriminados.

“Os aplicativos permitiram que houvesse uma proteção para que pessoas queer explorassem”, Stafford me disse durante o podcast.

“Também é permitido que pessoas que pensam que são heterossexuais ou queer explorem com segurança suas próprias sexualidades em espaços seguros sem precisar ir a um lugar físico”.

Claro, talvez seja tudo tão simples quanto as pessoas apenas querendo ser solteiras. Quanto isso pode desempenhar um papel?

Vou terminar dizendo que, para todas aquelas pessoas que anseiam por romance, os últimos meses me ensinaram que às vezes você simplesmente não sabe quando um raio vai cair. Mantenha seu coração aberto.

Fonte: CNN Brasil

COMENTÁRIOS
PUBLICIDADE