PUBLICIDADE
Os países que têm a gasolina mais cara e a mais barata - e onde o Brasil fica no ranking
22/06/2022 05:56 em Notícia

Apesar do petróleo ser um commodity, ou seja, uma matéria-prima que tem o preço determinado uniformemente pela oferta e demanda internacional, o preço final para o consumidor da gasolina — e de outros derivados de petróleo, como diesel e gás GLP — varia imensamente ao redor do mundo.

Na última semana (de 7 a 13 de junho) o preço do litro da gasolina para o consumidor ia de US$ 0,02 (R$ 0,11) na Venezuela a US$ 3 (R$ 15,4) em Hong Kong, segundo o ranking Global Petrol Prices, que pesquisa os preços em 168 países, semanalmente na maioria deles.

Além da Venezuela, os países onde a gasolina está mais barata são Líbia (2° lugar), Iran (3°), Síria, Argélia, Kuwait, Angola, Nigéria, Turcomenistão e Malásia.

E os lugares onde ela está mais cara são Hong Kong (168º na ordem do mais barato para o mais caro), Noruega (167°), Dinamarca (166º), Finlândia, Islândia, Grécia, Países Baixos, República Central Africana, Mônaco e Cingapura.

E o Brasil? Fica no meio, em 83º lugar, com a gasolina a US$ 1,41 (R$ 7.25) na média — ou pelo menos ficava na semana passada, antes do reajuste anunciado pela Petrobrás de 5,2% no preço do combustível na refinaria (que compõe 38% do valor para o consumidor final). O ranking com os preços para o consumidor desta semana deve sair na segunda (20).

 

Motivos da variação

O preço do barril de petróleo — definido internacionalmente — é determinado por dois tipos de fatores. "Os fatores endógenos, ou seja, que têm a ver com a própria indústria, como oferta e demanda", explica o economista Maurício Canêdo, professor da Fundação Getúlio Vargas, "e fatores exógenos, como guerras, ataques terroristas etc."

"No momento, o mundo todo está pagando caro pelo barril de petróleo por causa da guerra (na Ucrânia)", afirma o economista.

Mas por que, então, a gasolina varia tanto de país para país?

"O preço varia de acordo com o câmbio da moeda local para o dólar — e no momento o real está muito desvalorizado em relação ao dólar", diz Canêdo, "e de outros fatores como a lógica tributária e as políticas de subsídios de governos nacionais."

Bico de abastecimento de combustível vertendo uma gota

CRÉDITO,AFP

Legenda da foto,

Brasil tem atualmente a 3ª gasolina mais cara entre países sul-americanos, mas uma queda de preços nesse momento é improvável, dizem economistas

Transição energética

Pule Podcast e continue lendo
Podcast
BBC Lê
BBC Lê

A equipe da BBC News Brasil lê para você algumas de suas melhores reportagens

Episódios

Fim do Podcast

Os países que estão no topo do ranking das gasolinas mais baratas são produtores de petróleo ou têm o combustível quase totalmente subsidiado pelo governo. Ou as duas coisas, como é o caso da Venezuela.

Além disso, a variação tem outro padrão: a gasolina tende a ser mais barata em países em desenvolvimento e mais cara em países desenvolvidos — com exceção dos EUA (76°) e da Austrália (77°).

"A carga de impostos sobre o combustível é maior nesses países com o objetivo de desincentivar o seu uso, torná-lo menos competitivo e permitir a transição para energias renováveis", explica Canêdo.

De maneira geral, os países do ranking onde a gasolina mais cara é resultado de políticas públicas de redução do impacto ambiental "são países onde não há uma desigualdade tão grande como no Brasil, onde a população mais vulnerável é desproporcionalmente afetada pela alta nos combustíveis, especialmente o preço do gás de cozinha".

O preço da gasolina no Brasil

No Brasil, durante muito tempo, o preço da gasolina não tinha paridade com o preço internacional do barril.

"No passado, o que se fazia era o que chamamos de controle ortodoxo: usar o balanço da Petrobras como ferramenta de controle de preços", explica Canêdo.

Ou seja, se o preço do barril ou o da gasolina refinada que importamos — porque o Brasil não têm grande capacidade de refino e precisa importar — estivesse muito alto, a Petrobras vendia mais barato do que comprava, ficando no vermelho.

Desde que foi instaurada a política de paridade de preços internacionais (PPI), a Petrobras tenta parear o preço da gasolina na refinaria com o preço internacional.

Mas o valor ainda está defasado, explica Pedro Rodrigues, sócio do Centro Brasileiro de Infraestrutura (CBIE), e deve continuar mesmo com o aumento anunciado nesta sexta (17).

A defasagem média do preço médio da gasolina em relação ao mercado internacional na última semana estava calculada em cerca de 19%, segundo a Associação Brasileira dos Importadores de Combustíveis (Abicom). E segundo o banco Goldman Sachs, o reajuste não foi suficiente para zerar essa defasagem.

É possível segurar os preços?

Com a política de PPI, o governo perdeu a capacidade que tinha antes de controlar os preços da gasolina, do diesel e do gás praticados pela Petrobras, explicam os analistas.

O governo ainda é acionista majoritário da empresa, portanto, indica o presidente e 6 dos 11 membros do conselho de acionistas.

O presidente Jair Bolsonaro (PL) tentou em maio demitir o presidente da Petrobras, José Mauro Pereira Coelho, que ele mesmo havia indicado, e os conselheiros apontados pelo governo, mas a mudança precisa ser aprovada na empresa, o que não é imediato.

No entanto, mesmo se o presidente e os conselheiros forem trocados, os executivos que os substituírem não têm mais espaço para evitar a paridade de preços por causa de uma série de regras de compliance (conjunto de normas para fazer com que a empresa cumpra regras legais e internas) adotadas pela Petrobras, afirma Pedro Rodrigues, do CBIE.

"O governo tem todo o direito de trocar o presidente da empresa e os conselheiros por pessoas mais próximas, mas os novos não podem simplesmente ignorar as regras. Eles podem responder legalmente como indivíduos se fizerem isso", explica o analista. "Também causa estranhamento que a troca seja tão frequente (como tem sido no governo Bolsonaro)."

No entanto, o governo ainda pode influenciar o preço para o consumidor através de políticas públicas. Na quarta, o Congresso aprovou um projeto de lei para limitar a 17% a cobrança de ICMS (imposto estadual que incide sobre mercadorias e serviços). O projeto deve ser sancionado por Bolsonaro.

"É uma política pública válida, mas que tem impacto na entrada de recursos. O que precisa ser questionado é se é nossa prioridade nesse momento usar recursos públicos para conter os preços para todo mundo", afirma Canêdo.

O economista defende que, para proteger as pessoas mais vulneráveis que são desproporcionalmente afetadas pela alta, o governo crie políticas de transferência de renda. "Como um vale-gás, por exemplo", diz.

Refinaria da Petrobras vista de fora

CRÉDITO,GETTY IMAGES

Legenda da foto,

A Petrobras tem tentado manter a politica de paridade de preços

Privatizar a Petrobras diminuiria os preços?

Para Maurício Canêdo, a privatização não faria os preços da gasolina caírem — muito pelo contrário.

"Com a privatização os preços seriam totalmente pareados, seria totalmente PPI", explica ele. "Ou seja, sem a defasagem que temos hoje, eles na verdade iriam aumentar."

"Há uma série de motivos para fazer a privatização, mas a diminuição dos preços não é um deles", diz.

Já Rodrigues afirma que, no longo prazo, poderia haver uma série de vantagens no sentido de resolver problemas estruturais que encarecem o combustível no país — mas seria preciso que a privatização fosse feita com muito cuidado e planejamento.

"Com a vinda de investimento privado, é possível conseguir suprir a necessidade de capacidade para refino e criar infraestrutura de transporte", diz ele. "Mas se a privatização foi feita de qualquer jeito, você corre o risco de substituir o modelo atual por um monopólio privado — o que não traz absolutamente nenhuma vantagem."

Fonte: BBC Brasil

COMENTÁRIOS
PUBLICIDADE